Categorias
Confetes e News Desenvolvimento de Pessoas

Hora do Balanço Anual

Hoje acordei pensando no ano que está acabando, com todas as dificuldades que tivemos que enfrentar e toda a insegurança sobre o futuro que nos espera. Concluí que, apesar dos pesares, 2021 foi um ano vitorioso. Sem dúvida o fato de ter uma família amorosa, amigos atenciosos e ter acesso a cuidados de saúde de qualidade fizeram muita diferença. Filmes ótimos foram lançados, livros de todos os tempos foram lidos ou relidos, Valentino Rossi participou de sua última corrida na MotoGP, num momento emocionante… Mas, tem mais.

Neste ano aprendi mais sobre mim mesma. Creio que o autoconhecimento é fundamental para fazer valer o tempo. Profissionais que não sabem quem são (e mesmo quem já não trabalha mais) têm mais dificuldade em reconhecer suas vitórias e os pontos em que podem melhorar para ser um ser humano pleno. Por exemplo, eu soube claramente que sou disponível demais para pessoas que não me dão a devida atenção. Sabe, aquele que você está sempre pronto, mas que nunca tem tempo para ajudar você?Aprendi que equilibrar as coisas é necessário para evitar desapontamentos.

Foi um ano em que ter suporte foi fundamental, seja de família, de amigos, de parceiros, equipes de trabalho, lideranças. Bem, neste quesito, tive que enfrentar algumas frustrações. Sabe como as resolvi? Mudei a direção. Alguém não quis meu trabalho? Dane-se, tem quem quer. Fui atrás de outras formas de disponibilizar o que criei e deixei pra lá.

Descobri – ou resgatei – outras formas de satisfação. Não, não iniciei novos hobbies, não comprei uma casa na praia, nem fiz o Caminho de Santiago, não virei um biker fanático, nada grande. Entretanto, voltei a jogar Pokemón. Coisa de criança, eu sei, e nem sou boa no jogo, mas adoro e troco informações com meu neto, que tem a idade certa para isto. Trabalho remoto, sem dúvida, evitou muitos deslocamentos e horas perdidas, que preenchi com muita leitura e cinema via streaming.

Ajudei pessoas, com escuta super ativa, buscando compreender seus problemas e tentando buscar soluções. Estive lá para amigos, conhecidos e até desconhecidos que precisaram de recursos de toda natureza, para tocar a vida, para definir caminhos de carreira, para elaborar planos e projetos. Isso é realmente da minha forma de ser, mas em tempos sombrios, um número maior de seres humanos buscam ajuda fora de si mesmas e eu exercitei esta característica mais do que o normal.

Adoro esta foto, nem sei quem é o autor, mas para mim é a cara da colaboração

Você está se perguntando porque eu resolvi falar do meu ano? O que você ganha com isso? Por que eu acho que este assunto vai interessá-lo? Bem, li hoje um artigo falando sobre quão importantes são estes pontos para avaliar a qualidade do ano. Portanto, tenho uma sugestão: pergunte-se como responderia às perguntas que fiz para mim mesma e que resultaram nessas respostas. Muitas vezes reclamamos sem uma análise mais profunda e, ao final, podemos mudar de ideia. Se você responder positivamente, sem dúvida, seu ano foi muito bom!

Todas as fotos foram copiadas do Google.